Quantcast

Muitas prioridades: Os 10 Principais Desafios de Comunicação que as Relações Públicas Enfrentam em 2021

Tempo de leitura: 5 minutos

Atenção: matéria originalmente publicada em inglês no portal Sword and the Script, e pode ser acessada clicando aqui.

Os principais desafios de comunicação são 1) prioridades demais 2) cortar o ruído e 3) trabalhar com “líderes que não entendem de comunicação” (36%) – educar executivos é “super-poder”

Quando as empresas enfrentam um problema que não sabem como resolver, elas tendem a recorrer a um dos dois departamentos para obter ajuda: jurídico ou comunicação. Pelos resultados da 2021 JOTW Strategic Communications Survey, isso é cada vez mais verdade.

As empresas têm enfrentado problema após problema desde Março de 2020, e as pessoas que elas mais confiam para ajudar a navegar em águas desconhecidas têm sido comunicadores profissionais. Assim, o valor das Relações Públicas e da Comunicação cresceu aos olhos das empresas.

Os 10 Principais Desafios de Comunicação Enfrentados por Relações Públicas

Este novo reconhecimento de valor, embora bem-vindo, não vem sem desafios. As relações com a mídia ainda são difíceis, as questões políticas e sociais continuam a adicionar complexidade à comunicação pública e os comunicadores estão enfrentando uma infinidade de prioridades.

Na verdade, “prioridades demais” é o item que encabeça a lista dos principais desafios enfrentados pelos profissionais de comunicação e Relações Públicas. Abaixo estão os principais desafios de Relações Públicas em 2021, de acordo com a pesquisa:

  • 40% disseram “muitas prioridades”;
  • 37% disseram “cortar o ruido”;
  • 36% disseram “os líderes não entendem a comunicação”;
  • 35% disseram “as obrigações estão sempre em expansão” (ou seja, mídias sociais, conteúdo, etc);
  • 29% disseram “não há pessoal suficiente”;
  • 26% disseram “não há orçamento suficiente”;
  • 24% disseram “aumento de escopo”;
  • 23% disseram “mensuração / Retorno Sobre Investimento (ROI)”;
  • 12% disseram “a adesão dos executivos”;
  • 11% disseram “falta de alinhamento com o marketing”.

Stacey Miller, Diretora Sênior de Comunicação da Auto Care Association, acredita que parte do problema deriva da “liderança não compreender totalmente o fluxo de trabalho da comunicação e o tempo e esforço necessários por trás das campanhas”.

Miller foi uma das seis colaboradoras externas que ajudaram a analisar os resultados da pesquisa.

“Aqueles que são responsáveis pelas comunicações interna e externa devem estar absolutamente sobrecarregados”, escreveu ela. “Agora que a comunicação provou o seu valor, devemos começar a posicionar um parceiro de agência ou profissional de Relações Públicas como um elemento necessário para atingir nossos objetivos internos e continuar ou melhorar o sucesso do departamento”.

Veja como esses principais desafios de Relações Públicas se parecem graficamente:

E aqui está o que se parece em detalhes:

Algumas das respostas adicionais aos desafios incluíram o processo de revisão e aprovação (10%) e a experiência do colaborador (9%). Outros 7% citaram “outros” e vários comentários abertos fornecem um bom contexto.

Comentários abertos sobre os desafios incluem:

  • Influência absurda. “Fome absurda de alcance de ‘influenciadores’… e falha em entender que os chamados ‘influenciadores’ estão em grande parte apenas buscando alguma recompensa financeira”;
  • Band-Aid de comunicação. “Líderes de negócios que pensam em ótimas comunicações podem solucionar a falta de liderança”;
  • Confusão da Missão. “Colaboradores de comunicação incompetentes que pensam que a comunicação é a missão da organização em vez de uma função de suporte;
  • Diversidade. “Completa carência da verdadeira diversidade – étnica e de experiência, em particular”;
  • Trabalho Remoto. “Conectando novos colaboradores remotos à cultura e valores organizacionais”;
  • Tomadores de pedidos. “Os líderes de comunicação não entendem como ser proativos e estratégicos e apenas SENTAR-SE à mesa. Eles são tomadores de pedidos com muita frequência;
  • Tudo acima. “Na maioria das vezes, mudamos nossa abordagem reativa para o recebedor de pedidos. Mas muitos outros ainda pensam em nós dessa maneira. Acabei de começar em uma empresa ambiciosa com 10 mil funcionários e uma equipe de comunicação de apenas duas pessoas. Recebo muitos pedidos administrativos, por isso estou tentando educar as pessoas sobre qual deve ser minha função e como agregar valor. E isso não é por meio de reuniões em eventos ao vivo”.

Educar executivos em comunicação é um “superpoder”

Curiosamente, os principais desafios de Relações Públicas citados este ano são uma mudança em relação aos principais desafios das pesquisas de anos anteriores, onde o orçamento e o Retorno Sobre Investimento (ROI) eram os principais desafios.

Aqui está uma olhada nessa mudança:

“Volte a Março ou Abril de 2020; quem teria pensado que o orçamento seria uma preocupação menor?”, escreveu Michael Smart, CEO da Michael SMART PR, LLC, em uma análise dos resultados da pesquisa. Ele foi um dos seis contribuintes a oferecer esse feedback.

Ele continua: “A economia em expansão significa que nossos orçamentos estão de volta, mas temos muito o que fazer. Educar e dissuadir os executivos a se concentrar é o superpoder de 2021”.

Na verdade, isso me lembra um excelente ditado popular que diz que “quanto tudo é uma prioridade, nada é uma prioridade”.

Isso é uma coisa certa, é claro, e é uma lição que ficou comigo por muito tempo. Como se costuma dizer nos círculos de estratégia de Relações Públicas e Marketing, “metade da estratégia é decidir o que você não vai fazer”.