Quantcast

Como 2.400 jornalistas usam as mídias sociais para reportar [e por que as Relações Públicas devem levar as redes sociais à sério]

Tempo de leitura: 6 minutos

Atenção: matéria originalmente publicada em inglês no portal Sword and the Script, e pode ser acessada clicando aqui.

Jornalistas dizem que o Twitter é a plataforma de mídias mais valiosa e passam muito tempo lá; se você quiser melhorar as relações com a mídia, deve investir mais tempo lá também.

Os esforços de negócios em mídias sociais tendem a ser de dois tipos.

O primeiro raramente usa seus canais em redes sociais. Essas contas sociais de marcas mais se parecem com um grande outdoor irregular e desatualizado em uma rodovia deserta que não é atualizada há anos.

O segundo tipo é aquele que utiliza apenas como modo de saída. Essas contas fornecem um fluxo constante de autopromoção. Eles também raramente reconhecem qualquer outro usuário – mesmo quando alguém responde a esse fluxo constante de autopromoção com um elogio.

Existem vários motivos pelos quais isso acontece, e alguns deles até podem ser válidos. No entanto, se Relações Públicas faz parte de sua comunicação ou estratégia de marketing, essas empresas estão perdendo a oportunidade de explorar as mídias sociais para melhor exposição.

6 Estatísticas sobre como os jornalistas usam as mídias sociais

Muck Rack uniu-se a cerca de 20 associações diferentes – entre elas, a Society of Professional Journalists, MediaBistro e Foreign Press Association – para pesquisar 2.482 jornalistas, de 11 de janeiro a 11 de fevereiro de 2021. Algumas das descobertas em torno das mídias sociais se destacaram:

1. Repórteres procuram notícias no Twitter

Quando questionados sobre onde os repórteres vão para obter suas notícias, as principais respostas foram notícias online (58%) e Twitter (16%). Embora o Twitter tenha ficado em um distante segundo lugar, também está muito longe do terceiro lugar, que foi o noticiário à cabo / televisão.

Também foi interessante ver que apenas 3% dos repórteres disseram que obtêm suas notícias em newsletters e apenas 1% em podcasts. Isso vai contra as tendências atuais entre o público em geral – mas essa é uma postagem de blog diferente.

2. Twitter é a rede social mais valiosa para os jornalistas

Cerca de ¾ (73%) dos jornalistas que responderam a esta pesquisa citaram o Twitter como a rede social mais valiosa. Isso está um pouco abaixo da pesquisa do ano passado, no entanto, ainda é quase o dobro do número de votos atribuídos à plataforma mais próxima, o Facebook, com 38%.

3. Mais repórteres querem passar mais tempo no Twitter

Quando perguntado qual rede social eles gostariam de usar mais, o Twitter estava no topo da lista. Veja como as respostas se acumulam:

  • 37% dos repórteres disseram que gostariam de passar mais tempo no Twitter;
  • 28% dos repórteres disseram que gostariam de passar mais tempo no LinkedIn;
  • 26% dos repórteres disseram que gostariam de passar mais tempo no Instagram;
  • 23% dos repórteres disseram que gostariam de passar mais tempo no YouTube.

4. Repórteres verificam as redes sociais da empresa ao realizarem seu trabalho

Ao reportar sobre uma empresa, 86% dos repórteres disseram que consultam os canais de mídias sociais de uma empresa pelo menos algumas vezes. Além disso, 58% “normalmente” ou “sempre” verificam esses sites durante o desenvolvimento da cobertura de mídia.

5. Jornalistas acompanham seus compartilhamentos sociais

Uma das maiores mudanças da mídia é a autopromoção nas redes sociais. Por volta de 2009, existia um movimento real de muitos repórteres lutando contra isso.

Hoje, é quase esperado que os repórteres promovam seu trabalho, e alguns passaram a apreciá-lo (o que é humano) e até desenvolveram uma considerável rede de seguidores. De acordo com essa pesquisa, 62% rastreiam quantas vezes suas histórias foram compartilhadas nas redes sociais.

6. A maioria dos repórteres não são receptivos a argumentos no Twitter

A grande maioria dos jornalistas (94%) que responderam à pesquisa preferem aproximações por e-mails à moda antiga. Apenas 12% dizem que estão abertos a receber sugestões no Twitter – e aqueles que o fazem normalmente deixam isso claro em suas biografias nesta rede social.

5 Dicas para ter sucesso nas relações com a mídia no Twitter

Embora a maioria das pessoas não queira ser entrevistada nas mídias sociais, é bem claro que, no geral, as mídias sociais – em especial o Twitter – são importantes para os esforços gerais de relacionamento com a mídia. Na verdade, como dito anteriormente, se você trabalha com Relações Públicas e tem responsabilidade pelas relações com a mídia, então você tem, de certa maneira, a obrigação profissional de estar presente no Twitter.

Aqui estão algumas dicas para aproveitar isso ao máximo:

  • Crie uma lista de repórteres no Twitter que cubram o seu setor. Cuide disso diligentemente, pois os repórteres mudam o ritmo e as publicações com frequência.
  • Organize conteúdo de repórteres que realizam a cobertura do seu espaço e marque-os para que eles saibam disso. Uma ação aqui e ali não é grande coisa, mas faça isso de maneira consistente ao longo do tempo e eles irão verificar você. Aqui está o truque: compartilhe histórias que você acha que irão beneficiar o seu público, não apenas para obter favores;
  • Selecione conteúdo de outras fontes confiáveis que sejam úteis para o seu público – e talvez para repórteres. A questão é ser uma boa fonte de informação – por que vale a pena seguir boas fontes de informação. Misture com seu próprio conteúdo; uma proporção de 3:1 é uma boa regra prática.
  • Use mídia social paga para aumentar as suas relações com a mídia. O Twitter é um ótimo lugar para isso porque todos os repórteres estão lá e seguem uns aos outros. Isso significa que você pode criar um público segmentado “semelhante” com base no seu público-alvo. Crie de 4 a 5 postagens pagas destinadas à repórteres e deixe-as no ar por uma semana. É uma maneira passiva e não intrusiva de se aparecer para eles. Empresas colocam 1200 dólares por um comunicado à imprensa que vai por meio de uma transmissão (sabe-se lá por onde), mas se recusam a gastar 100 a 200 dólares na promoção de anúncios, o que desafia a lógica.
  • Pague para as redes sociais promoverem sua cobertura. Se você passar algum tempo no Twitter hoje, verá que os principais editores, incluindo o The Wall Street Journal, realizam anúncios pagos na plataforma para promover suas histórias. Se você ganhar uma colocação, esta também é uma opção inteligente. Porque? Pois as relações com a mídia levam tempo e ímpeto para começar – cobertura de mídia constrói cobertura de mídia. A promoção de anúncios é apenas uma das 12 coisas que você deve fazer para ampliar a cobertura da mídia assim que conquistá-la